sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Faça a diferença! Uma palavra de encorajamento aos pastores para enviar recursos para Missões



Escrito por JOEL RODRIGUES COSTA JÚNIOR
18-Feb-2009
Escrever um artigo de encorajamento para pastores pode cair facilmente em um lugar comum. Quem precisa ler o óbvio? Então, em vez de teorizar, resolvi acenar com alguns benefícios em o pastor levantar cada vez mais recursos financeiros junto a sua igreja para Missões. Eis alguns deles:
VOCÊ TORNAR-SE-Á ESTRATÉGICO PARA DEUS
Deus falou a uma viúva que sustentasse seu servo Elias. Mulheres foram movidas a sustentar Jesus. Tanto aquela como essas foram estratégicas para Deus. O ministério profético de Elias e muito mais o ministério de Jesus tornaram-se um marco decisivo na história da salvação. E Deus usou mulheres no sustento de ambos. Eu estou convencido de que Deus procura pessoas-chave para sustentar a Obra Missionária.
Nós cometemos um erro imenso em pensar que somente igrejas grandes podem fazer diferença em missões. Na verdade, eu creio que é bem o contrário. Estou certo que igrejas pequenas podem fazer toda a diferença no sustento da Obra Missionária, aos olhos de Deus, pelo menos.
Escrevo o que vem a seguir com temor e tremor, correndo o risco de ser mal interpretado. Minha igreja, sendo pequena, com 142 membros, levanta por ano mais de R$ 48 mil para Missões. Isto dá uma média de R$ 338,00 por membro ao ano. Agora, imagine se todos os membros de igrejas batistas contribuíssem assim no Brasil, nossa denominação levantaria mais de 500 milhões por ano para Missões! E somos uma igreja de periferia de uma cidade do interior paulista.
Acredito que para Deus não importa o valor, mas a atitude, a entrega, o compromisso, o desprendimento. O pequeno judeuzinho deu cinco pães e dois peixinhos e foi suficiente para alimentar uma multidão faminta de mais de 20 mil pessoas.
Ao contrário do senso comum, Jesus não precisava de um empresário para comprar pão para aquele povo. Muito menos precisava ele de uma padaria ali no deserto. Ele simplesmente precisou de um garoto que foi estratégico para aquele milagre.
Querido pastor, nós podemos nos tornar estratégicos dessa forma para o Senhor. Talvez nossa contribuição não apareça na denominação, nos relatórios que contemplam números altos. Mas, diante de Deus, faremos diferença como aquele menino e aquelas mulheres o fizeram!
DINHEIRO NÃO SERÁ PROBLEMA PARA SUA IGREJA
Esse é um medo comum. Se eu levar minha igreja a dar cada vez mais para Missões, sobrará dinheiro para as outras coisas? E o projeto de construção? E o projeto de evangelização? E o sustento do pastor? Essas e muitas outras perguntas logo se agigantam quando decidimos investir abnegadamente em Missões.
Lembro de ter ouvido o pr. Edson de Queiroz dizer que a igreja que ele pastoreia levantou um prédio de Educação Religiosa sem campanha alguma de construção. Aliás, a campanha deles era, segundo o pr. Edson, mandar dinheiro para Missões!
Eu tenho experimentado algo semelhante. Minha igreja é pequena, bem menor que a do pr. Edson, mas posso testemunhar de que jamais faltou dinheiro para fazermos as “demais” coisas. Quando cheguei à IBBN ela já levantava R$ 1.200,00 para Missões por mês com 90 membros e tinha uma receita mensal de dízimos de R$ 4.500,00 (média dos seis meses anteriores a minha chegada).
Cinco anos depois, pela graça do Senhor, o valor enviado para o campo missionário é quatro vezes maior e a receita de dízimos da igreja cresceu três vezes. Ainda, nesse meio tempo compramos um terreno ao lado da igreja para ampliação do templo nesses anos por vir.
Acredite-me, pastor, sobrará tanto dinheiro que você não saberá direito o que fazer com ele. Deus traz muitos recursos a igrejas que investem na Obra Missionária. O saldo de nossa igreja cresce a cada mês. É impossível dar ao Senhor mais do que Ele nos dá!
A IGREJA VAI FICAR FOCADA NO QUE É REALMENTE IMPORTANTE
Todos temos projetos para nossas igrejas que recebemos do Senhor em oração e estudo das Escrituras. Mas nenhum desses projetos pode ocupar o lugar do Projeto de Deus que está em Atos 1.8. E, como ouvi recentemente, “a igreja que não pratica Atos 1.8 será levada para Atos 8.1”.
Penso que é um crasso erro teológico valorizarmos mais os nossos projetos do que o de Deus. Penso o mesmo quando se trata de colocar um projeto de Deus estabelecido nas Escrituras abaixo de um projeto particular que Ele tenha nos dado.
A missão foi dada aos 11 apóstolos. Pense em como eles receberam tal incumbência! Duvido que eles tenham cogitado assim: “Bem, vamos fazer a nossa parte, outros terão que fazer a deles”. Não!
Acredito com todo meu coração que eles pensaram que Jesus estava falando de eles próprios testemunharem até os confins da terra ou, quando muito, enviarem os que o fariam. Não acredito que eles pensaram diferente disso. Quando vejo o Apóstolo Paulo querendo chegar até a Espanha ainda em vida para pregar Cristo aonde Ele ainda não houvera sido proclamado, percebo essa noção grandiosa de incumbência de que os apóstolos estavam imbuídos.
Hoje muitos querem ser mais sábios que o Espírito Santo. Homens querem fazer a Agenda de Deus. Não creio nisso e penso que qualquer ministério por mais grandioso que seja aos olhos humanos, não passa de palha aos olhos de Deus se não cumprir a agenda divina para a Igreja que é Atos 1.8!
Quando tentamos aproximar nossa igreja o mais perto disso é como se pudéssemos ouvir de perto o coração de Deus batendo pela humanidade perdida. Deus comunica seus planos e pensamentos aos que mantêm-se focados no propósito maior que é a Missão!
Termino sugerindo dicas para aumentar as ofertas de sua igreja para Missões:
• Desafie os membros a um compromisso mensal/anual. Em nossa igreja chamamos isso de Promessa de Fé. As ofertas do dia especial são boa estratégia, mas quem quer progredir no sustento missionário precisa se aventurar a mais. Meu alvo é que um dia eu consiga, com a igreja, sustentar integralmente vários casais de missionários nas quatro instâncias missionárias: local, estadual, nacional e mundial. Não chegarei a isso com ofertas trimestrais e sim com ofertas mensais de gente comprometida pela fé e pelo amor com a obra missionária. Neste final de ano que passou fiquei feliz juntamente com a igreja em podermos enviar ofertas extras a título de “13º salário” para a conta pessoal de cada missionário. Queríamos que eles sentissem a gente de perto e que estamos aqui prontos para dar, mais e mais, até doer mesmo, para a Glória de Deus!
• Você, pastor, deve iniciar. Deus abrirá o coração da igreja se nós pastores dermos. Ninguém precisa ficar sabendo. Devemos ser os primeiros a “morrer”, os primeiros a dar. Também falo o que vou falar agora com temor e tremor, mas tenho que fazê-lo. Em meu primeiro ministério, aos 23 anos de idade, levei a proposta de a igreja adotar um missionário na África da JMM. Minha igreja na época não quis, pelos motivos acima mencionados já. Eu mesmo adotei aquele missionário. Durante um ano trouxe notícias para a igreja sobre o missionário que estava sendo ajudado com as ofertas de um membro de nossa igreja. Ao final de um ano, a liderança da igreja me disse: “Pastor, queremos adotar um missionário”. Até hoje aquela igreja envia dinheiro para Missões. Glória a Deus!
• Alargue a cada ano a visão aumentando o número de projetos adotados. Associo a consciência missionária da igreja a uma música de fundo. Fazemos muitas coisas enquanto contribuímos para Missões. Mas as fazemos ao som de Missões.
Deus tem me dado projetos também para a minha igreja local: Pequenos Grupos, Discipulado, EBD com currículo reformulado e contemporâneo, ministério com famílias, ampliação do templo entre outros. Porém, a cada mês, missionários vêm falar em nossa igreja. Não dependo das Juntas para isso. Corro atrás! Não quero que algo tão importante como alargar a visão missionária de minha igreja seja entregue ao acaso ou à boa vontade deste ou daquele.
Na maioria das vezes, gastamos boas quantias colocando esses missionários em hotéis, pagando-lhes as despesas, entregando-lhes ofertas extras, etc.
Em 2008, recebi na igreja nosso missionário no Peru com sua esposa e quatro filhos. Ele me falou ao ir embora: “Joel, nunca fomos tão bem tratados por uma igreja. Meus filhos nem estão acreditando!”
Também recebemos missionários estaduais, nacionais e já este mês de fevereiro receberei nosso missionário que está na Tribo Gavião em Ji-Paraná! Glória a Deus!
Não quero passar um mês sequer sem lembrar que minha igreja existe para enviar missionários e para fazer Missões!
Não estou satisfeito com o que levantamos para missões em minha pequena igreja de 142 membros onde cada membro, em média, contribui com 338 reais por ano. Imagine se todos os batistas contribuíssem assim! Pastor, venha com a gente, vamos evangelizar o mundo inteiro em nossa geração!
(A IBBN levanta, atualmente, mais de R$ 4 mil reais para Missões, todos os meses, que são enviados para projetos locais, estaduais, nacionais e mundiais.)

JOEL RODRIGUES COSTA JÚNIOR
Pastor da IB Boas Novas, Ribeirão Preto (SP)

EXTRAÍDO DE: http://www.ojornalbatista.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=1009&Itemid=33

1 comentários:

GRUPO GUARARAPES disse...

CIDADÃOS BRASILEIROS, DE PÉ! Doc. nº53 – 2009

Este documento é uma tentativa de despertar em todos aqueles que nos recebem a consciência de que OU NOS UNIMOS OU SEREMOS ESMAGADOS pelos inimigos do BRASIL.

O GRUPO GUARARAPES remete, por documento, mais de 7.000 e-mails para brasileiros de todos os recantos do País, ou até no exterior. Somos, atualmente, 2199 CIDADÃOS BRASILEIROS que lutam pela defesa da DEMOCRACIA, combatem a corrupção, batalham pela Integridade Nacional (vide Amazônia), pelo engrandecimento de nossas Forças Armadas e por um Brasil mais justo e solidário.

O GRUPO GUARARAPES, quando fala em CIDADÃO, não faz diferença entre preto, branco, índio, quilombola, mulato, nisei, católico, protestante, espírita, que vista a bata da Justiça, a farda do militar, o jaleco do médico, o capacete do engenheiro, de sexo, etc. CIDADÃO para o GRUPO GUARARAPES é o brasileiro que cumpre com os seus deveres e respeita os direitos dos outros. O estudante que estuda, o homem que ama sua família, a mulher mãe amantíssima, o político honesto e responsável legisla em benefício do povo, o juiz que aplica a lei, o administrador que defende o dinheiro público, o motorista que cumpre as leis do trânsito, etc., são CIDADÃOS que merecem todo o respeito da sociedade.

O GRUPO GUARARAPES combate os pretensos donos da verdade. Que assim agem mas convivem com a mentira, e que são os direitistas e esquerdistas seguidores de HITLER e de STALIN. O Grupo combate aqueles que querem impor suas ideias pelo grito, pelo palavrão, pela intimidação e pela mentira. O VERDADEIRO CIDADÃO BRASILEIRO é um democrata e que não vive olhando pelo retrovisor da história e mentindo para o povo brasileiro. Para ele a grandeza se encontra no presente e no futuro.

O GRUPO GUARARAPES procura unir os bons brasileiros que se agrupam em torno da BANDEIRA NACIONAL – a verde, amarela, azul e branca. Bandeiras vermelhas, pretas ou de outras cores não representam o BRASIL. O vermelho é sangue é terror, é tirania; o preto é morte, é desespero, é negação de vida.

O GRUPO GUARARAPES prega o diálogo, e combate a força a serviço do mal, o terrorismo, a mentira, o roubo, a falta de caráter. Ama os heróis nacionais e combate todo aquele que quer transformar o BRASIL numa ditadura socialista-comunista ou a que for, como essa que aí está mandando e desmandando, a serviço de um Poder espúrio,. A desserviço da Democracia.

O GRUPO GUARARAPES tem certeza de que a maior força de uma DEMOCRACIA se encontra na JUSTIÇA. Sem Justiça marchamos para o caos.

A BASE DA JUSTIÇA SE ENCONTRA NA VERDADE. Um País de mentirosos só encontra caminhos para o desastre, para a derrota, para a degradação.

A VERDADE SERÁ A GRANDE FORÇA QUE NOS UNIRÁ E MOVERÁ PARA SALVARMOS O BRASIL – PARA FAZÊ-LO E MANTÊ-LO INDEPENDENTE E FELIZ.

CIDADÃOS BRASILEIROS, DE PÉ, NA DEFESA DA VERDADE! PELO BRASIL!

GRUPO GUARARAPES
GEN TORRES DE MELO – Coordenador